Início| Cidade| Freguesia| Equipamentos| Coletividades| Iniciativas| Contactos  
   
   
A fundação de Lourosa tem origens muito distantes, que vão para além da formação da nacionalidade. As origens suas remontam a um período, anterior à organização do nosso país. Contudo, a formação de Lourosa, como hoje conhecemos, apenas ocorreu em 1128, após a Batalha de S. Mamede.

Laurosa terá sido referida antes mesmo da constituição do Condado Portucalense, por volta do ano de 1095. Encontra-se a referência a Laurosa num documento antigo que data de 1009, século XI. Os nomes Boco e Lourosa, outrora aldeias, aparecem referidos em documentos de 1155. Existem ainda referências, num testamento de 1234, ao Mosteiro de Pedroso e à primitiva igreja de São Tiago, a qual tem já como patrono o mesmo santo.

No ano de 1251, viviam, em Lourosa, apenas sete casais, sendo a localidade quase um ermo. Nas inquirições de D. Dinis, em 1288, faz-se referência à existência de nove casais na paróquia de São Tiago. Existe outro documento, de 1320, que informa que Lourosa terá participado na luta da reconquista cristã e na expulsão do Mouros, autorizada pela Igreja católica.

Em 1322 há referências aos Mosteiros de Pedroso e Silvalde e, mais tarde, em 1363, o rei D. Pedro I deu de foro a António Miguel e sua esposa, Iria Domingues, uma casa na aldeia de Lourosa, o que prova que o rei tinha jurisdição secular sobre a região. Em 1371 Lourosa passou a fazer parte da Diocese do Porto, antes pertencente à de Coimbra. Em 1514, foi incluída no foral, cedido por D. Manuel à Feira e Terra de Santa Maria. Nesta época, Lourosa vivia fundamentalmente da terra, sendo a agricultura a actividade máxima da sua economia. Cultivavam-se, sobretudo, cereais (aveia, centeio, cevada, milho e trigo) e criavam-se animais domésticos.

No séc. XIX e XX transformaram-se, significativamente, os costumes vividos pela população de Lourosa durante as idades média e moderna. No início do século passado, a cortiça foi trazida para esta terra, alterando assim o modus vivendi da população, bem como o contexto económico da região.

Lourosa, outrora uma aldeia rural de vários reinados, sofreu grandes processos de transformação e as suas gentes, com dedicação e esforço, contribuíram para uma constante evolução. Assim, Lourosa foi denominada de vila no dia 25 de Setembro de 1985 e, a 19 de Abril de 2001, os lourosenses viram a sua terra ser elevada a cidade. Presentemente esta cidade é famosa por se tratar da cidade dos três C?s: Cidade Capital da Cortiça, indústria preponderante nesta região.
Existe ainda um facto curioso na memória colectiva da população da cidade de Lourosa ? a defesa do Padre Damião aquando uma revolta popular. Este acontecimento data de 1964, altura em que o país se encontrava em pleno regime. A população bramava que o padre era deles, pois este os havia conquistado, e manifestaram contra a GNR. Contudo, a polícia do Estado disparou e, em resultado, duas mulheres da terra foram abatidas e todos os outros acusados de "comunistas".
Agenda
Acontecimentos
CAMPANHA VACINAÇÃO ANTIRRÁBICA E IDENTIFICAÇÃO ELETRÓNICA 2017
9 de junho (sexta-feira)
 
14.30h –  Largo Feira dos Dez - http://goo.gl/maps/Y0tl9
16.30h –  Largo Igreja - http://goo.gl/maps/WoHkw
Divulgação Resultados Orçamento Participativo 2017
Edital
Canídeos
Topo    Inicio    Arquivo    Contactos    Fale Connosco