Início| Cidade| Freguesia| Equipamentos| Coletividades| Iniciativas| Contactos  
   
   
A fundação de Lourosa tem origens muito distantes, que vão para além da formação da nacionalidade. As origens suas remontam a um período, anterior à organização do nosso país. Contudo, a formação de Lourosa, como hoje conhecemos, apenas ocorreu em 1128, após a Batalha de S. Mamede.

Laurosa terá sido referida antes mesmo da constituição do Condado Portucalense, por volta do ano de 1095. Encontra-se a referência a Laurosa num documento antigo que data de 1009, século XI. Os nomes Boco e Lourosa, outrora aldeias, aparecem referidos em documentos de 1155. Existem ainda referências, num testamento de 1234, ao Mosteiro de Pedroso e à primitiva igreja de São Tiago, a qual tem já como patrono o mesmo santo.

No ano de 1251, viviam, em Lourosa, apenas sete casais, sendo a localidade quase um ermo. Nas inquirições de D. Dinis, em 1288, faz-se referência à existência de nove casais na paróquia de São Tiago. Existe outro documento, de 1320, que informa que Lourosa terá participado na luta da reconquista cristã e na expulsão do Mouros, autorizada pela Igreja católica.

Em 1322 há referências aos Mosteiros de Pedroso e Silvalde e, mais tarde, em 1363, o rei D. Pedro I deu de foro a António Miguel e sua esposa, Iria Domingues, uma casa na aldeia de Lourosa, o que prova que o rei tinha jurisdição secular sobre a região. Em 1371 Lourosa passou a fazer parte da Diocese do Porto, antes pertencente à de Coimbra. Em 1514, foi incluída no foral, cedido por D. Manuel à Feira e Terra de Santa Maria. Nesta época, Lourosa vivia fundamentalmente da terra, sendo a agricultura a actividade máxima da sua economia. Cultivavam-se, sobretudo, cereais (aveia, centeio, cevada, milho e trigo) e criavam-se animais domésticos.

No séc. XIX e XX transformaram-se, significativamente, os costumes vividos pela população de Lourosa durante as idades média e moderna. No início do século passado, a cortiça foi trazida para esta terra, alterando assim o modus vivendi da população, bem como o contexto económico da região.

Lourosa, outrora uma aldeia rural de vários reinados, sofreu grandes processos de transformação e as suas gentes, com dedicação e esforço, contribuíram para uma constante evolução. Assim, Lourosa foi denominada de vila no dia 25 de Setembro de 1985 e, a 19 de Abril de 2001, os lourosenses viram a sua terra ser elevada a cidade. Presentemente esta cidade é famosa por se tratar da cidade dos três C?s: Cidade Capital da Cortiça, indústria preponderante nesta região.
Existe ainda um facto curioso na memória colectiva da população da cidade de Lourosa ? a defesa do Padre Damião aquando uma revolta popular. Este acontecimento data de 1964, altura em que o país se encontrava em pleno regime. A população bramava que o padre era deles, pois este os havia conquistado, e manifestaram contra a GNR. Contudo, a polícia do Estado disparou e, em resultado, duas mulheres da terra foram abatidas e todos os outros acusados de "comunistas".
Agenda
Acontecimentos
Divulgação Resultados Orçamento Participativo 2017
Assembleia de Freguesia
Desenterrar das Merendas
Ténis de Mesa
Louroteatro 2017
Edital
Canídeos
Topo    Inicio    Arquivo    Contactos    Fale Connosco