Início| Cidade| Freguesia| Equipamentos| Coletividades| Iniciativas| Contactos  
   
   
Lourosa tem na sua génese variadas tradições que se relacionam com a religião e com os hábitos de vida da população e que marcam sua identidade e cultura. Desde a matança do porco, à desfolhada, bem como as festas dedicadas aos santos devotos e ao grande patrono S. Tiago.

Antigamente, como as pessoas viviam da lavoura, para sustento próprio e das suas famílias, que eram numerosas, criavam animais. Daí surgiu uma importante tradição, a matança do porco. Os porcos eram mortos e pendurados de um dia para o outro. No dia seguinte, desmanchava-se o porco e as suas carnes eram salgadas, numa salgadeira, que ficava no porão das casas. Nada era desperdiçado, pois do sangue e miúdos do animal ainda se faziam as morcelas, que eram penduradas no fumeiro, juntamente com os presuntos. Havia um rito muito interessante aquando a matança do porco, a distribuição, pelo lugar, do mandado (prato de grande porção de carne de porco e morcela em cima), para que todas as pessoas pudessem comer um pouco.

Para além da criação de animais, o cultivo assumia grande importância na vivência e sustento da população da região. Desta forma, as pessoas que possuíam campos semeavam milho, batatas, cebolas, entre outros produtos, os quais depois vendiam na feira das colheitas de S. Miguel.

No Outono, surgia outro momento bastante significativo para a vida da população: a desfolhada. As espigas de milho eram todas colocadas numa eira em monte, as pessoas formavam uma grande roda à volta destas e desfolhavam-nas enquanto cantavam. Quando encontravam uma espiga de milho vermelho, o Milho Rei, davam um abraço dizendo "chiii". Depois de terminada a desfolhada, o dono da casa fazia uma grande merenda, com pão, castanhas e vinho, para gratificar todos os que nela participaram. O milho era recolhido e as suas folhagens eram igualmente aproveitadas para encher almofadas. Os dias da desfolhada eram dias de grande festa.

Outra curiosidade caricata desta região relaciona-se com a celebração dos casamentos. Quando as viúvas voltavam a casar, era tradicional amarrar-se latas atrás do carro dos noivos. Hoje em dia, as latas são amarradas no carro dos noivos, independentemente da sua situação civil.

As romarias eram grandes festas, ligadas à religião, que por cá se faziam. As principais romarias eram as festas de S. Miguel, N. Sra. da Saúde, Sto. António e S. Tiago. Nestas romarias havia a procissão do Nosso Senhor dos Passos, onde se levava o andor do santo, assim como o andor da mãe de Jesus, que percorriam algumas ruas de Lourosa, da igreja até ao Calvário, onde se fazia uma espécie de encenação sobre o encontro de Jesus e Sua Mãe Maria.

Hoje em dia muitas tradições foram perdidas. Contudo, algumas associações existentes em Lourosa, de cariz religioso ou cultural, têm vindo a recuperar algumas e a criar novas.

Agenda
Acontecimentos
CAMPANHA VACINAÇÃO ANTIRRÁBICA E IDENTIFICAÇÃO ELETRÓNICA 2017
9 de junho (sexta-feira)
 
14.30h –  Largo Feira dos Dez - http://goo.gl/maps/Y0tl9
16.30h –  Largo Igreja - http://goo.gl/maps/WoHkw
Divulgação Resultados Orçamento Participativo 2017
Edital
Canídeos
Topo    Inicio    Arquivo    Contactos    Fale Connosco